segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Sushi

265347_4

Marian Keyes ficou conhecida por seu livro Melancia, de 1995. Mas antes de se tornar famosa, Marian teve uma vida conturbada e difícil. A autora irlandesa é alcoólatra e tentou se matar. Mas foi forte e conseguiu vencer o vício e hoje é uma das maiores autoras irlandesas de nosso tempo.

Sushi (2000) conta a história de três mulheres que se veem a beira de um ataque de nervos, tendo como pano de fundo a criação de uma nova revista feminina, a Colleen. Ashling, a solteira, é atormentada por uma infância difícil, onde um pai ausente e uma mãe em depressão fizeram com que ela tivesse que assumir as rédeas da família. Lisa, a divorciada, é uma editora que teve uma promoção forçada, tendo que se mudar de Londres para Dublin (na Irlanda), longe de tudo que ela gosta e conhece. Clodagh, a casada, está de saco cheio de sua vida perfeita e precisa de uma mudança radical - mesmo que isso machuque todos aqueles que ela ama. Apesar de ter uma história clichê, o livro consegue se manter misterioso até o final. Nunca sabemos como as personagens vão agir, como se estivéssemos assistindo a vida delas de longe.

Ao contrário de muitas autoras de livros femininos, Marian não tem medo de mostrar todas as faces de problemas comuns, que todos nós enfrentamos de um jeito ou de outro. Depressão, divórcio, relacionamentos, traição, filhos, trabalho, sexo, etc. Ela consegue tratar destes assuntos de forma madura e ao mesmo tempo divertida, trazendo uma realidade mais ácida à literatura feminina. Talvez isso aconteça graças ao seu passado problemático. Sushi é um livro sobre a busca pela felicidade, mesmo que ela venha de maneiras que jamais esperaríamos.

Se Sushi ganhasse uma versão cinematográfica, quem seriam os atores ideais para interpretá-los

Lisa

Lisa sonhava em ser editora em uma grande revista americana, mas acabou sendo enviada para Dublin para criar uma revista de moda e fazer dela um grande sucesso. Ela é descrita como uma mulher dominadora, preconceituosa e vaidosa. Uma versão mais jovem de Miranda Priestley, de O Diabo Veste Prada. Naomi Watts (King Kong) ficaria muito bem no papel, pois conseguiria interpretar os dois lados da personagem: a chefe autoritária e a mulher deprimida e solitária.

clip_image001

Ashling

Ashling teve uma infância difícil, na qual foi obrigada a cuidar de sua mãe, que tinha depressão. Por causa deste trauma, ela desenvolveu um leve transtorno obsessivo compulsivo, onde esfregar o Buda da sorte é regra, assim como carregar tudo o que é coisa dentro da bolsa. De guarda-chuvas a curativos. Além disso, ela foi demitida do seu emprego e agora tem que lidar com uma chefe que aparenta odiá-la e um gerente que trata todo mundo bem, menos ela. A talentosa Kate Wislet, que ganhou o Oscar por O Leitor, daria vida com perfeição à Ashling, pois possuí a aparência física e o carisma que a personagem pede.

clip_image002

Clodagh

A melhor amiga de Ashling, Clodagh, tem a vida que sua amiga sempre quis: um marido bonito e gentil, que a ama profundamente, dois filhos lindos, uma casa maravilhosa. Mas mesmo assim ela se sente incompleta e infeliz. Apesar de aparentar 20 anos, Amy Adams (Dúvida) tem 35 anos - um ano mais velha do que Kate Wislet. Esta aparência cai como uma luva para a personagem, que sempre pareceu ser mais nova do que sua amiga. Amy é uma atriz versátil e talentosa, sem precisar se esforçar muito.

clip_image003

Jack Devine

Moreno, descabelado, mal vestido, mal humorado. E extremamente lindo. Este é Jack Devine, o administrador encarregado de fazer a revista Colleen ser a maior revista feminina da Irlanda. Jack namora uma mulher que o deixa louco e por isso está sempre irritado. Seu mau humor não afasta Lisa, que se sente imediatamente atraída por ele e decide que ele será sua diversão enquanto estiver presa na Irlanda. Mas Jack parece não notar tanta atenção vinda dela, especialmente quando Ashling aparece em cena. O ator australiano Hugh Jackman (O Grande Truque) exala talento e sensualidade e é o favorito das fãs do livro para interpretar Jack.

clip_image004

Dylan

O marido de Clodagh só tem olhos para ela. Dylan é o tipo de homem que toda mulher adoraria ter para si. Bonito, inteligente, carinhoso e bem sucedido. Patrick Wilson (que contracenou ao lado de Kate Wislet em Pecados Íntimos ) é a personificação de todos estes adjetivos.

clip_image005

Marcus Valentine

O comediante Marcus Valentine conquistou o coração de Ashling não por sua beleza, mas por seu talento. Ou melhor, pela sua fama. O sardento, carente e com baixa autoestima poderia muito bem ser Eric Stoltz (Marcas do Destino), que se encaixa perfeitamente na descrição do personagem.

clip_image006

Ted e Joy

Os vizinhos de Ashling sempre aparecem quando ela precisa de ajuda. Os dois só se importam em encontrar o par ideal e para isso recorrem aos mais bizarros meios. Como quando Joy pede para Ashling para que esta lhe dê um chupão no pescoço, para que o homem na qual está interessada não ache que ela está disponível. E Ted, que para conseguir uma namorada, vira comediante na esperança de ficar famoso e atrair groupies. Os atores Tom Everett Scott (The Wonders - O Sonho não Acabou) ficaria ótimo como o sensível e divertido Ted, enquanto Joy poderia ser vivida pela carismática Martine McCutcheon (Simplesmente Amor).

clip_image007

Oliver

O fotógrafo Oliver é o ex-marido de Lisa, que volta para a vida dela para finalizar o divórcio. Os dois ainda se amam, mas simplesmente não conseguem mais conviver um com o outro. Jamie Fox fica com o papel não só por seu talento para atuar (que demonstrou muito bem em Ray) mas também por seus dotes físicos (que podem ser conferidos no péssimo Miami Vice).

clip_image008

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...